Fracking, Agricultura e saúde publica.

Retirado do site: Organic Consumers Association, por Alexis Baden-Mayer, 2013

Fracking our Farms: A tale of five farming families”

Fracking e Agricultura : A história de 5 quintas familiares

Nota do autor: “ Num rally em Washington sobre o clima, a certa altura, a nossa faixa “ Cozinha Orgânico, Não o Planeta”  chamou a atenção de um agricultor familiar. Ele aproximou-se . Eu dei-lhe um flyer e disse-lhe como a agricultura orgânica podia ajudar no combate aos gases efeito de estufa ao reduzir os níveis de dióxido de carbono para a atmosfera. Ele disse “ Mas se eles utilizarem o fracking em todo o lado, não vai existir agricultura orgânica.” Mais tarde em casa descobri que havia um numero efervescente de agricultores pelo país contra o fracking. Aqui vão algumas histórias:

Os seus nomes são Carol, Steve & Jackie, Susan, Marilyn & Robert, e Christine. Partilham algo. Dois pontos, atualmente:

  • Todos são ou foram donos de quintas.
  • E essas quintas, junto com a sua própria saúde e dos seus animais, foram arruinadas pelo fracking.

Mais de 600.000 poços de fracking e injeção de desperdícios apareceram por todo o país, de acordo com a ProPublica. A industria do gás e petróleo, juntamente com reguladores federais, querem-te fazer acreditar que injetar triliões de galoons (1 gallons = 3,7 litros) de liquido tóxico, na profundidade da terra é inofensivo.

Mas digam isso a Jacki Schilke de North Dakota, que perdeu 2 cães, cinco vacas e galinhas – e a sua saúde – depois de 32 poços de gás e petróleo aparecerem num limite de 3 milhas (+/-5km) de sua casa. Ou Cristine Moore, uma salvadora de cavalos em Ohio, que vendeu a sua quinta depois de um poço ter sido instalado a 5 milhas de sua casa, criando um fio de petróleo na sua água que a pôs tão doente que ficou impossibilitada de tratar dos seus cavalos.

Com dezenas de milhares de poços e locais de descarga de lixo tóxico, é certo que o fornecimento de comida água, e alimentos contaminados com químicos do fracking será verdade. Enquanto ouvimos falar muito sobre contaminação da água potável, incluindo a captura de agua a nível pessoal em bocas de incêndio, não nos preocupamos com o fracking. Colheitas contaminadas são também veículos para expor o ser humano aos químicos do fracking.

Aqueles que tem a infelicidade de viver perto dos poços podem dizer muito sobre o potencial perigo do químicos do fracking na nossa saúde. Os animais tem a mesma susceptibilidade para doenças que nós, mas porque são mais expostos ao ar, solo e água dos lençóis freáticos sem tratamento , e tem ciclos reprodutivos mais frequentes, exibem as doenças mais rápido, fazendo adivinhar doenças nos humanos. Um estudo revela frequentes mortes em quintas com animais de criação. Os animais que sobrevivem mostram problemas de saúde incluindo infertilidade, defeitos de nascença. Alguns animais desenvolvem anorexia, e falhas no fígado e rins.

O que causa estes problemas? Entre as centenas de químicos tóxicos utilizados no fracking estão arsenio, benzeno, ethylene glycol (anticongelante), formaldehyde, chumbo, tolueno, Uranium-238 e Radium-226.

Os problemas de saúde vão desde, autismo, asma, cancro, doenças do coração, falha dos rins, defeitos de nascença, alergias, e desequilíbrios do sistema imunitário.

Os agricultores reagem

Aqui vão as histórias de 5 agricultores na linha da frente na luta contra o fracking, que partilham as suas histórias  connosco numa tentativa de expor as mentiras que o gás natural é uma “energia limpa”.

Carol Frech, co fundadora da (PLGAS).

A sua quinta está rodeada com 9 poços. No inicio do mês ela postou no Fracking Facebook que perdeu 3 animais em 9 dias. “ Ouvi de outros agricultores com água “modificada” a falarem dos mesmos problemas”, escreveu. Em Dezembro de 2012, Shale Gas Outrage protestou na Filadélfia, Carol disse à multidão, como, em 2 semanas depois da água mudar, a sua filha desenvolveu febre e diarreia que se tornou sangue, Perdeu 10 pounds (+/- 4,5kg)  em 7 dias. Assiste ao discurso da Carol.

Steve e Jacki Schilke;

Existem 32 poços em volta da sua quinta de 160 acres. Que a Jaccki culpa pela perda do seus animais, e perda da sua saúde. Os seus sintomas começaram uns dias depois dos poços serem fracked (fracturados), quando sentiu nos pulmões uma sensação de queimadura que a enviou para as urgências. Depois disso, quando sai à rua no seu rancho, fica tonta e com problemas em respirar. Em certas alturas, com 53 anos Jacki não consegue andar sem muleta, conduzir ou respirar facilmente. Ela avisa os agricultores para não aceitar acordos com os frackers: “ Eles estão aqui para violar esta terra, fazer quanto dinheiro possível e voltar costas o mais rápido possível. Não se importam minimamente com o que estão a fazer. Eles vão à tua propriedade mentir-te nos olhos

Vê a Jacki falar da sua experiência.

Susan Wallace-Babb.

Um dia em 2005, Susan foi ao campo de um vizinho para fechar um regadio. Ela desceu do seu camião, respirou e desmaiou. Mais tarde, procurou respostas, um ajudante de xerife disse-lhe que um tanque cheio de gás natural a menos de meia milha teve uma fuga para outro tanque. Os fumos devem ter sido levados até a propriedade onde trabalhava. Na manhã seguinte quando acordou estava tão doente, que quase não se conseguia mexer. Vomitou compulsivamente e sofreu de diarreia explosiva. Em poucos dias desenvolveu manchas no corpo, depois lesões. Em 2006 modou-se. Em 2007 testemunhou no Congresso sobre a sua saúde devido ao impacto do fracking. Por 3 anos os seus sintomas melhoraram gradualmente, até poder trabalhar no seu jardim e levar a sua rotina normal. Em 2010, a Exxon lançou um projeto num velho campo a 14 milhas (+/- 22,5km) e iniciou o fracking para levá-los a produzir mais. Em meses os sintomas de Susan voltaram.

Assiste ao depoimento de Susan

Marilyn e Robert Hunt.

Donos de uma quinta orgânica de 70 acres, onde criam animais. Quando a Chesapeak Energy lhes disse que queria o direito aos seus minerais, Marilyn fez uma pesquisa e recusou a oferta. Mas isso não parou a Chesapeak Energy que diz no ShaleReporter.com, “ roubar gás de ambos os lados da nossa propriedade”. Em 2010,a Chesapeak recebeu permissão para descarga de produtos tóxicos e despejou-os perto da sua quinta, e nas suas terras. “ A agua começou a ter pequenos flocos brancos, e começamos a ficar doentes”. “perdemos muitos crias dos animais que tiveram problemas intestinais devido à agua. “ Algumas das crias que a sua filha criava morreram de falhas no sistema nervoso, e os que sobreviveram estavam deformados. Interessante notar que os animais que bebiam água da fonte no ponto mais alto da propriedade foram poupados a tais efeitos adversos, levando Marilyn a acreditar que foi a água contaminada pelo fracking que causou os problemas.

Christine Moore.

Cristine e a sua família viviam um sonho de vida no seu centro de recuperação de cavalos. Quando um poço foi aberto a 5 milhas (+/- 5km) da sua casa em 2012, Cristine foi de porta em porta, pedindo aos vizinhos para não dar permissão para fracking. Mas muitos vizinhos maioria Amish e Mennonite não ouviram. Dois meses depois a água ficou estragada. Petróleo vinha com a água que dava aos cavalos e usava na quinta. A água de sua casa que era bombeada do poço e filtrada, começou a dar-lhe problemas de estômago. Enviou os seus cavalos para um centro “Não Matamos”, vendeu a propriedade ao seu vizinho, que de acordo com os registos da Tuscarawas County, tem licença de exploração de petróleo e gás em várias propriedades.

Assiste ao discurso da Christine

Parem o ataque do fracking .

PARA ARTIGOS REALACIONADOS, VISITA:  Environment and Climate Resource Center page.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s