Mais milhões em dinheiro, menos sustentabilidade a tempo inteiro

Oito mil barris de petróleo ou gás natural extraídos diariamente, 7 milhões de metros cúbicos de potencial.

Pergunta: Quantos milhões de litros de água potável vão transformar em lixo tóxico para poder abrir os poços e extrair o “potencial”?

A Galp é uma das principais caras do negócio de petróleo em Alcobaça. Durante anos viveu à conta dos impostos, construiu as suas infraestruturas com dinheiro publico, e agora que esta tudo quase feito, privatiza-se e pagamos tudo outra vez.

O governo aprova pela primeira vez um plano destes, mas não é a primeira vez que decide em favor das corporações em deterioramento das populações, desde a monocultura intensiva apoiada por químicos, a lei do Eucalipto, as incineradoras, as barragens, zonas protegidas, autorização para pesca de arrasto em mar nacional, transporte de materiais radioactivos em rios que atravessam a fronteira, etc…

Arlindo Alves, Administrador da Mohave chama a atenção para os valores económicos da apresentação “independentemente do que vier a acontecer”. Espero que não se esteja a referir aos danos colaterais da exploração Hidraulic Fracking. A confiança deste administrador em que devemos explorar a natureza diz tudo. Lembrar que nós seres humanos somos parte da natureza.

Quais de nós devemos ser explorados? A industria nunca se preocupou com os locais, porque devia começar agora?

Continuam a enganar a população com o cliche: “Recursos naturais são oportunidades para país”. Como os trabalhadores são oportunidade para a divida…

O grupo Mohave Oil congratula-se por pôr em cima da mesa um assunto que estava na gaveta à mais de 70 anos, o que considera negligência. O Governo Português assinou na semana passada um plano de Estratégia Nacional para os Recursos Geológicos.

A destruição do meio ambiente num país que já ultrapassou por várias vezes os valores do tratado de Quioto, pagando multa…claro. O sistema de Captura e armazenamento de carbono também já foi adicionado, continua a ser, segundo os políticos e corporações a solução para os problemas económicos e ecológicos dos portugueses europeus e do mundo.

A presidência da câmara de Alcobaça preocupa-se é com as royaltis (percentagens pré-defenidas das vendas finais ou dos lucros obtidos por aquele que extrai o recurso natural). Tenho de dizer que enviei e-mails para a câmara de Alcobaça voluntariando-me para dar luz às duvidas que o sr presidente disse ter sobre os trabalhos da corporação numa entrevista à umas semanas, parece que lhe chegou ouvir os representantes do estado e das corporações do petróleo.

O ministro escolhido para assinar e representar o estado não foi o ministro da Administração Interna, nem o do Ambiente, nem o da Saúde, nem o da Ciência, nem  da Solidariedade Social. Não! Foi o Ministro da Economia… porque isso é o que interessa.

Portugal foi vendido ás parcelas, e a população faz parte do pacote de promoção.

Paulo Portas disse nos EUA que o povo português está preparado para as dificuldades e apoiar os investimentos americanos e a sua economia liberal. O seu colega no Congo diz o mesmo em relação aos trabalhos das corporações de petróleo no seu país. Devem ter lido os mesmos memurandos, não?

A exploração do gás natural é um problema mundial. Tem o perigo de se tornar uma luta como as lutas contra as nucleares que dura até hoje.  Existe mais informação, mais consciência na protecção dos meios naturais, a cada vez menos confiança na politica e a procura de independência do mercado corporativo e monetário.  Economicamente e socialmente já se conhece as suas intenções, mas o pior está para vir. Tudo esta em jogo, e o mercado liberal quer tudo! Mas destas vez não vão conseguir abafar ou dividir povos!? Com toda a sua tecnologia, leis, armamento, fieis e violência nunca conseguiram calar de vez a voz do povo, e desta vez podem ter cometido o seu pior erro pensar que nos podiam controlar todos ao mesmo tempo. Muito se houve a frase “O povo unido jamais será vencido”

Pois… a melhor arma das corporações é a globalização. Seguindo um ditado samurai: A tua melhor arma de defesa é a melhor arma de ataque do teu inimigo. Se querem globalizar a corrupção, e a exploração, desta vez os africanos, os indianos, os americanos, os australianos, os europeus vão realizar a reacção como um só, um só povo, muitas vozes, várias acções, várias razões mas por uma verdade, Igualdade de direitos para todos.

Não ao Petróleo, não ao Fracking!

Advertisements

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s